Keppe Motor

mundo-12-maio-2015-005

http://www.keppemotor.com/

A patente foi depositada no Brasil e em diversos países, porém o México foi o primeiro a conceder o Privilégio de Invenção para o equipamento.

Keppe Motor que é um motor de ressonância magnetomecânica de alta eficiência desenvolvido pelos cientistas Cesar Soós, Roberto e Alexandre Frascari utilizam o princípio de ressonância eletromagnética para otimização de sua eficiência. O Keppe Motor recebe este nome porque foi desenvolvido segundo princípios inovadores que surgiram na pesquisa do psicanalista, filósofo e físico (Pesquisador independente) Norberto da Rocha Keppe sobre a Física, e expostos em sua obra A Nova Física da Metafísica Desinvertida, escrita em 1996 na França. De acordo com os cientistas desenvolvedores do Motor, o benefício trazido por um motor que economiza 70% de eletricidade para o meio ambiente e para a economia de uma nação é evidente. Os motores elétricos de baixa potência são os mais utilizados pois acionam eletrodomésticos, ferramentas elétricas, bombas hidráulicas, sistemas de refrigeração doméstica, etc. Eles somam centenas de milhões em todo o mundo e estão diretamente vinculados ao desenvolvimento de um país ou região, pois com o aumento do poder aquisitivo das famílias, mais motores são proporcionalmente adquiridos.

A concessão de patente no México, atesta que o Keppe Motor é um Motor que tem uma importância em termos de originalidade e inovação tecnológica.

Como diz o video, o Keppe Motor foi desenvolvido a partir das teses expostas no livro “A Nova Física da Metafísica Desinvertida”, de Norberto Keppe, especificamente a de que “a energia não tem origem na matéria, mas sim ao contrário, a matéria é advinda da energia primária, denominada de Energia Essencial, que existe no universo”.

 

mundo-12-maio-2015-003
O cientista que revolucionou o mundo com a corrente alternada, a transmissão de energia sem fios e os motores a indução, Nikola Tesla dispensa apresentações. Ele que dizia para quem quisesse ouvir que acreditava que recebeu instruções de alienígenas que teriam transmitido diagramas diretamente para sua mente, eventualmente entrava em estado alterado de consciência, e trabalhava sem se alimentar nem descansar por horas e horas a fio, desmaiando de exaustão após o esgotamento físico. Nesse momento, seus assistentes corriam para registrar suas patentes. Tesla criou assim inúmeras patentes que até hoje são estudadas cuidadosamente, dadas suas inovações. Seu plano era criar uma bobina capaz de gerar energia grátis e abundante para a Humanidade. Quando o Dr. Norberto Keppe escreveu a obra que inspirou o motor Keppe, chamado “A Nova Física da Metafísica Desinvertida”, ele delineou a base para uma nova Física que transcende certos postulados de Newton e Einstein, e até mesmo, os conceitos propostos hoje pela Física Quântica. O livro de Keppe inicialmente foi visto como uma “viagem” pois era corajoso e profético, quase no nível da arrogância, já que reformulava todos os princípios fundamentais da ciência, abrindo o caminho para levar a humanidade a níveis altíssimos de desenvolvimento tecnológico e social. Foram as descobertas de Keppe que serviram de inspiração para que os engenheiros Cesar Soos e Roberto Frascari descobrissem uma forma para capturar a energia escalar, inicialmente estabelecida por Tesla (e chamada de energia essencial ou divina por Keppe), dessa maneira, evitando os meios tradicionais que são utilizados por todos os motores até agora. O próprio Keppe reconhece que partiu para pressupostos de seu livro estudando os conceitos que Tesla havia inicialmente trilhado.

 

Mas como o motor funciona?

A Nova Física desinvertida vê a matéria e as forças como propriedades da energia do espaço circunvizinho. Este ponto de vista é constitui o primeiro passo para promover a construção de máquinas baseadas no princípio de que o magnetismo dos ímãs não derivam de dipolos magnéticos rotativos que constituem a matéria magnética mas, ao contrário, corresponde à manifestação da energia do espaço captada de fora pela matéria do ímã. Neste sentido, o Keppe Motor foi projetado para trabalhar com um rotor magnético movido por pulsos de energia eletromagnética em ressonância, que se beneficia de picos de alta voltagem produzidos no momento em que o campo magnético da bobina colapsa. Esta energia é devidamente coletada e revertida para bobinas secundárias que garantem a alta eficiência anunciada em nosso material promocional. Isso funciona de fato!

Os pilares da física tradicional são a Relatividade de Einstein e a Física Quântica de Planck, Bohr, Heisenberg e outros. Segundo estas teorias, matéria e energia são equivalentes (E=mc2) e a última tem sua origem em partículas materiais. Por esta razão, quando e pensa em energia, pensa-se primeiramente em algum elemento material (sólido, líquido ou gasoso) do qual possamos extrair energia. Partindo de estudos sobre a Metafísica grega, Keppe aponta um desvio que Aristóteles cometeu ao formular a Metafísica, ciência esta que serviu de base para as ciências da atualidade, principalmente a física, que acabou sendo a mais prejudicada. Segundo Keppe, Aristóteles formulou um princípio metafísico de forma invertida ao afirmar que o “ato viria da potência”. Esta linguagem metafísica-filosófica pode ser traduzida na linguagem da ciência moderna como “a energia (ato) vindo da matéria (potência)”, ou “a energia vinda da diferença de potenciais”, sendo que Aristóteles identifica potencial com matéria. Como se não bastasse, Aristóteles também desviou o estudo do atomismo com o seu hilomorfismo, uma doutrina filosófica que estabelece a duplicidade da substância, instituindo a noção (errônea segundo Keppe) de que matéria e forma são dois elementos distintos da mesma substância.

Este pensamento levou à ideia de que matéria e energia seriam dois elementos distintos e sempre presentes. Este pensamento foi então materializado com Albert Einstein em sua famosa teoria da relatividade restrita de 1905, e expressa matematicamente na famosa equação E=mc2, conhecida como equivalência matéria e energia. A interpretação relativística de que a “energia é matéria radiante e matéria é energia condensada” expressa muito bem o materialismo absoluto trazido por Einstein e a ideia errônea de que a energia vem da matéria.

Entretanto, Keppe, ao estudar os trabalhos do grande inventor Nikola Tesla percebeu que este grande cientista já havia realizado inúmeras invenções de vulto baseado na ideia de que o vácuo, que corresponde à ausência total de matéria, é feito de energia. A tecnologia de Tesla usava ressonância de ondas eletromagnéticas que ele denominava “ondas eletromagnéticas longitudinais”. Alguns ramos não ortodoxos da física denominam a energia do vácuo responsável pela tecnologia de Tesla de “energia escalar”, um termo que se refere a uma forma de energia “não vetorial”, ou seja, não originária da dimensão do espaço-tempo e portanto não definível por parâmetros temporais e espaciais, como são a energia potencial e a energia cinética. Baseado em suas descobertas na Metafísica e em Tesla, Keppe desenvolveu em sua referida obra, novos princípios sobre os quais deveria se basear a ciência física daqui por diante, servindo inclusive de guia para uma nova tecnologia que haveria de vir. Keppe então concluiu que:

1) A matéria advém da energia e ambas não são equivalentes. A energia (escalar de Tesla, ou essencial de Keppe) é hierarquicamente superior e sempre existe onde não há matéria (partículas), porém nem sempre há matéria – ou poderá haver – onde há energia. A matéria simplesmente capta energia essencial e desprende energia secundária segundo a ressonância de sua estrutura interna.

2) Existe apenas uma única substância, a Energia Essencial (termo keppeano para a energia escalar de Tesla), que é transcendente (não-material, não-temporal e não-espacial) e que produz a matéria através do fenômeno da ressonância. Para Keppe, matéria é uma ressonância da Energia Essencial aprisionada no tempo e no espaço.

3) As energias sensíveis ao ser humano e detectáveis por instrumentos não são essenciais, correspondendo todas elas a subprodutos da energia primária (Energia Essencial). Isso implica que a tecnologia baseada na obtenção de movimento através da diferença de potenciais de energias secundárias (gravidade, eletromagnética, etc.) pode ser substituída pela tecnologia de captação direta da energia primária (energia essencial) através do fenômeno da ressonância de uma energia secundária, eletromagnética, por exemplo.

4) A energia essencial tem duas componentes, ação e complementação, que correspondem aos dois sentidos que compõem a ressonância. Aqui entra para Keppe o conceito de “Potencial Puro”, correspondendo à ideia de que a diferença de potenciais da física causa entropia acelerada do sistema pelo uso da energia apenas em um sentido. Quando o sistema está em ressonância, a entropia é minimizada e a eficiência maximizada, justamente porque o sistema passa a se beneficiar das duas componentes complementares de ação e complementação. O potencial puro pode ser visto como um vórtice causado pela ressonância do sistema e por onde passa a energia essencial.